O sucesso da DUPLENE está no sucesso dos seus clientes

Cada dia que passa, torna-se imperativo ter profissionais e empresas especializadas em consultoria empresarial e estratégica. Por isso, Filipe Nunes, economista e também contabilista certificado, dedica-se desde 2004 à busca do sucesso dos clientes através da empresa DUPLENE – CONSULTORIA DE GESTÃO LDA, que desenvolve consultoria especializada na área da elaboração de candidaturas a incentivos empresariais para apoiar e criar valor a empresários e empreendedores que pretendam desenvolver negócios, qualificar as suas empresas, aumentar a capacidade produtiva existente ou expandir para novos mercados.

A DUPLENE atua também na área da prestação de serviços especializados de contabilidade e assessoria fiscal, tendo escritórios em Viseu, Tondela, Porto e Cinfães, e contando atualmente com uma equipa multidisciplinar composta por 13 profissionais qualificados em economia, contabilidade, gestão de empresas, direito e solicitadoria.

 “A Duplene – Consultoria e Gestão Lda foi criada em 2004 e conheceu um forte crescimento que se deveu ao apoio que o nosso serviço proporcionou a diversos empreendedores que são hoje reconhecidamente casos de sucesso no mercado nacional e internacional, o que elevou a DUPLENE para um patamar elevado de notoriedade e reconhecimento.”

Tendo aberto o primeiro escritório em Tondela em 2004, rapidamente a empresa expandiu o seu serviço para Viseu e, mais recentemente, para Cinfães e Porto. Todavia, atualmente a DUPLENE labora em todo o mercado Nacional tendo clientes fidelizados em todo o País e também no Estrangeiro, nomeadamente Espanha, EUA e Brasil.

Ao desenvolver projetos de investimentos para empresas, há um enorme foco em investidores estrangeiros que pretendam efetuar investimentos em Portugal, e muito concretamente em territórios de baixa densidade, onde há majorações especificas e condições propicias para o acolhimento de novos investimentos empresariais, explica o consultor.

“Nós oferecemos todo o processo de acompanhamento aos investidores, desenvolvemos o projeto de candidaturas de empresas, empreendedores, startups, seja no âmbito dos incentivos do Portugal 2020 e agora 2030 e do PRR, seja no âmbito do turismo de Portugal ou em projetos mais simples associados à criação de emprego e formação”.

Filipe Nunes salienta que, quem pretende desenvolver e iniciar um projeto deve recorrer a consultores especializados, de forma a ter orientações assertivas e apoio certo no processo de tomada de decisão em relação aos seus projetos de investimentos

Atualmente as empresas que podem ser beneficiadas em Portugal são, geralmente, as que visam a inovação, os mercados externos e as empresas que atuam em setores estratégicos. “Essas empresas, geralmente, conseguem obter condições de elegibilidade para candidaturas a sistemas de incentivos empresariais”, refere Filipe Nunes.

SERVIÇO:

Duplene – Consultoria e Gestão Lda

Morada: Quinta das Fontainhas, Lote 28 – Escritório H.

3510-224 – Viseu, Portugal

Telm: +351 232 823 690 | +351 931 351 182

Email: duplene1@gmail.com

QUINTA DA PICOTA, vinhos de excelência!

Existem sítios que, ao chegar, nos fazem sentir em casa e é exatamente isso que acontece quando o turista chega à Quinta da Picota, localizada na aldeia de Cheires, no concelho de Alijó, distrito de Vila Real, região demarcada do Douro.

O percurso até à Quinta, que fica dentro de um Vale, é estreito e, por vezes, resulta até num leve frio na barriga, frio esse que logo desaparece, dando lugar à estonteante beleza das vinhas do Douro, que quase tiram o fôlego!

A Quinta da Picota contém as mais variadas posições, desde norte a sul, com altitudes compreendidas entre os 280 e 430 metros. Nas terras da Quinta passa o Rio Pinhão que desagua no Rio Douro e dá nome à vila, ou seja, Vila do Pinhão. 

Pelo caminho e dentro das terras da Quinta da Picota, além do Rio Pinhão e das vinhas, ainda encontramos 40 tipos de árvores de fruto como marmelo, cereja ou dióspiro, que nos encantam os olhos e enriquecem o percurso. O Vale era conhecido por ter muita água e, no passado, o que predominava na região era a agricultura, ou seja, o cultivo de frutas, hortaliças, cereais, batatas e feijão. Posteriormente, teve início a plantação de videiras e oliveiras. 

Ao chegarem à Quinta da Picota, os visitantes são recebidos com o sorriso da família Cruz e Silva, com o melhor vinho e muitas novidades! A família é formada pelo senhor Carlos, a sua esposa Paula, o filho enólogo Hugo e a menina Lurdes. Viveram em Angola por longos anos, mas o amor pela terra mãe e a possibilidade de concretizar o sonho vínico fez com que a família regressasse a Portugal em 2015 e comprasse os primeiros terrenos no Vale da Picota, a que deram o nome de “Quinta da Picota de Cheires“, por ser um nome vindo dos antepassados e que significa “sítio muito fértil”  e por picota ser um utensílio de tirar água.

No ano seguinte, a família adquiriu mais alguns hectares num local fértil junto ao Rio Pinhão, marcado pelo solo rico e pela abundante quantidade de água, somando um total de 32 hectares de terra, sendo que 22 são vinhas divididas em 8 hectares de vinhas novas e 14 hectares de vinhas velhas.

O projeto familiar ganhou forma no ano de 2019 quando o filho mais velho, Hugo Silva, formou-se enólogo, ocasião em que nasceu a primeira marca de vinhos DOC Quinta da Picota de Cheires (branco e tinto), que alia o conhecimento teórico à prática, originando a excelência do Terroir!

“Em 2015 eu entrei para a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro para estudar Enologia. Formei-me em 2019 e nesse mesmo ano produzimos e engarrafamos o nosso primeiro Doc Douro. Já o nosso primeiro Reserva vai sair este ano, 2021, feito com as vinhas velhas Touriga Nacional, com cerca de 40 a 50 anos, que é a nossa rainha das uvas” explicou o enólogo.

“Em termos de Reserva, podemos falar que o nosso vinho é um ‘blend’ de castas selecionadas e misturadas que, na nossa adega, envelhecemos num casco castanho português, porque, além de ser usado no Vinho do Porto há muitos e muitos anos, estamos a obter um muito bom resultado”, contou Hugo Silva.

Nas terras da Quinta da Picota encontram-se vinhas velhas datadas de 1930 com diferentes variedades de uvas que são tratadas e colhidas manualmente (sem uso de tratores) e dessa parcela de uvas é feito o vinho de excelência envelhecido em castanho. “No ano passado trabalhamos com o Doc branco e o Doc tinto e este ano vamos lançar os reservas branco, tinto,  o vinha velha e o Touriga Nacional 2019. Em dezembro vamos lançar dois espumantes, com uma edição limitada, ou seja, apenas 500 garrafas de espumante seco rosé e espumante seco branco. A base estava muito boa e agora estamos ansiosos para ver o resultado final”, revelou o especialista.

Uma boa colheita está extremamente ligada à natureza: “Estamos no verão e a colheita depende muito do tempo, das estações do ano. É muito bom quando no inverno chove bastante porque está a dar força à videira, está a entrar água para o solo e, então, as vinhas vão rebentar bem. No calor, se der fungos nas videiras, pode-se correr o risco de ter perda de uvas, perda da colheita, por isso precisamos de estar sempre atentos à plantação, aos períodos de colocar os produtos adequados e fazer os tratamentos nos momentos corretos”, disse.

Em relação ao resto do Douro, Hugo Silva explicou que a Quinta da Picota age de maneira um pouco diferente dos demais produtores. “Fazemos um vinho mais fresco, um tinto menos carregado, sem baunilha que vem do carvalho, sem muito álcool. Temos um vinho fácil de beber, muito direto e eu, como enólogo, acho que o vinho deve ser muito natural. Evitamos usar muitos químicos.  Ao terminar de beber uma garrafa do nosso vinho, quando se chega ao fim percebe-se que tem borra ”, explicou Hugo.

Atualmente, a Quinta da Picota produz cerca de 30 e poucos mil litros, o que dá um total de 37 mil garrafas e a ideia é sempre aumentar, inovar e crescer.  “A nossa Quinta é recente e há muito o que fazer. Já estamos a providenciar alterações no rótulo da garrafa e até ao fim do ano teremos novidades. Estamos também a pensar em procurar um investidor e, dessa forma, daremos um salto de 35 mil litros para 400 mil litros/ano, ou seja, 500 mil garrafas”, evidenciou Hugo Silva.

Apesar de a Quinta da Picota ser uma pequena empresa, os vinhos já estão a ser vendidos em três pontos físicos em Portugal, no Luxemburgo inteiro através de um distribuidor, em França e na Alemanha, onde já foram iniciadas as vendas através de quatro garrafeiras. Os vinhos também podem ser adquiridos pelo próprio ‘site’ da Quinta da Picota.

“A grande novidade é que o Vinho da Quinta da Picota será comercializado no Brasil em ‘latinha’, por isso, os nossos irmãos brasileiros devem ficar atentos ao nosso lançamento que acontecerá em breve”, concluiu, empolgado, o enólogo.

SERVIÇO :

Quinta da Picota de Cheires, Portugal.

Site: https://www.quintadapicota.com

FB: https://www.facebook.com/quintadapicota

Instagram: @quintadapicota

Tels : +351 937 262 082 / +351 918 227 265

Email: cheires@gmail.com / geral@quintadapicota.com

Bem-Vindo ao MONTEBELO VISEU CONGRESS HOTEL

Há 27 anos foi inaugurado em Viseu um hotel que se tornaria na referência em termos de hotelaria, gastronomia e arte de receber naquela cidade portuguesa: O Montebelo Viseu Congress Hotel

 Localizada no encaixe entre o Norte e o Centro de Portugal, no distrito homónimo, a cidade de Viseu, com clima mediterrânico, é rodeada pelas Serras do Caramulo, Buçaco, Estrela, Leomil e Montemuro. Viseu é simultaneamente o ponto de partida e de chegada para a degustação dos grandes vinhos do Dão e é aqui, nesta localidade recentemente classificada como a “Melhor Cidade para viver” pela Deco Proteste, que se encontra o Montebelo Viseu Congress Hotel, o primeiro e único hotel cinco estrelas da região.

Ultrapassados os momentos mais severos de confinamento, motivados pela situação pandémica Mundial, deu-se início à reabertura dos hotéis, e a retoma gradual da chegada dos turistas e visitantes à cidade de Viseu e à região Centro de Portugal

Nesse sentido, a direção do Montebelo Viseu tomou todas as medidas necessárias para que o hotel voltasse a receber os seus hóspedes seguindo todas as recomendações e indicações da Direção Geral de Saúde e da Organização Mundial de Saúde, assegurando rigorosas medidas de proteção e higienização dos espaços, incluindo os quartos, suítes e apartamentos, lobby e receção e espaços exteriores, tendo garantido o selo “Clean & Safe” do Turismo de Portugal.

“O Montebelo Viseu Congress Hotel está integrado no grupo Montebelo Hotels & Resorts e tem, para todos nós no grupo um lugar muito especial: é o nosso primeiro “menino”, que foi crescendo e está prestes a completar 27 anos de existência”, comentou Susana Cardoso, da direção do Hotel.

O Montebelo Viseu Congress Hotel, veio ao longo destes anos, a ser alvo de várias renovações e melhoramentos, sempre com a preocupação da inovação. O hotel começou com cerca de 100 quartos e, neste momento, é composto por 172 quartos divididos em várias categorias, incluindo a fantástica penthouse), um restaurante gastronómico, um bar com vista panorâmica, spa, piscina interior e exterior, fitness club, kids club, além de oferecer um conjunto de serviços e facilidades que vão ao encontro das necessidades dos visitantes do SEC XXI durante a sua estadia ou evento, como wi-fi gratuito nos quartos e nas áreas publicas, centro de conferências, estacionamento privado, serviços de quarto e lavandaria.

Com uma excelente relação dimensão/qualidade, o Montebelo Viseu Congress Hotel é um ponto de referência no centro de Portugal, localizado estrategicamente a cinco minutos do centro da cidade de Viseu, permitindo deslocações rápidas e com excelentes acessos às principais vias rodoviárias nacionais à volta da cidade de Viseu, com ligação aos parques naturais da Serra da Estrela e do Caramulo e apenas a uma hora da cidade do Porto.

É, também por isso, uma a escolha natural para quem procura o que de melhor a região Centro tem para oferecer, num destino que combina a hospitalidade, o património e a gastronomia.

“Agora que estamos na época de férias por excelência, trabalhámos com as diferentes unidades de alojamento e restauração do grupo Montebelo Hotels & Resorts, possibilitamos aos nossos clientes uma variada oferta de programas e propostas de atividades, tanto para os mais novos, como para os adultos: espaços de atividades de lazer, beleza e bem-estar, passeios e visitas guiadas, kids club, assim como apreciar a gastronomia tradicional e praticar golfe no Montebelo Golfe a 15 minutos do Montebelo Viseu ou atividades náuticas e desportivas no Montebelo Aguieira Lake Resort & spa”, explicou Susana Cardoso.

Em visita ao hotel podemos conhecer a diversidade das acomodações, que são divididas em quartos familiares com uma área entre os 33m2 e os 40m2 e oferecem vista para cidade de Viseu, situados entre o 1.º e 4.º piso e que acomodam uma família de até quatro pessoas, com sala de estar ampla e uma casa de banho totalmente equipada com banheira. Depois existem as suítes executivas e a suite presidencial, que oferecem mais espaço e comodidade.

Mas, o diferencial está na exclusiva Suíte Penthouse, com 500 m2 e uma vista única para as Serras de Montemuro, de Caramulo e da Estrela e para a cidade de Viseu, situada no 6.º piso do hotel e composta por uma suíte privada com banheira de hidromassagem em horizontal, sala de estar, sala de jantar, sauna, banho turco e jacuzzi e um piano de cauda na sala de estar.

Outra das características do Montebelo Viseu Congress Hotel é a sua  preocupação especial com a saúde e bem-estar.

Por isso mesmo, o convite para todos os hóspedes aproveitarem ao máximo os seus espaços de “Wellness”, desfrutando da piscina interior climatizada, fitness club, relaxar no lounge da piscina, sem esquecer os tratamentos mais personalizados e ajustados às preferências de cada hóspede. Entre eles, as massagens oferecidas pela equipa do Hotel, que se dividem em Relaxoterapia, Ayurvédica, Desportiva, Recuperação/Terapêutica, Pedras Quentes, Velas Aromáticas e massagem Tonificante para Golfistas. Há também os Rituais, como o “Oásis da Serenidade”, que consiste na fusão de um tratamento corporal anti-stress e de um tratamento facial nutritivo e hidratante, proporcionando uma sensação de paz e relaxamento que se transmite a todo o corpo e à mente ou ainda a “Rainha do Egito”, uma massagem feita com óleos sagrados de incenso e mirra que rejuvenescem a pele e transmitem serenidade ao espírito, envolvidos com sais do Mar Morto e fragrâncias exóticas, banhos de águas enriquecidas com pedras preciosas e perfumes naturais.

No Montebelo Viseu há também a possibilidade de fazer tratamentos faciais com hidratantes nutritivos, calmantes, anti-idade e regenerador para homens e tratamento corporais como esfoliação com sal do Mar Morto, remineralizante e vitalizante, oxigenante muscular, além de manicure, pedicure, depilação e um programa especial e personalizado para noivos!

Susana Cardoso destaca igualmente que “se o foco for realizar eventos corporativos, congressos, workshops ou conferências, o Hotel dispõe de dez amplas salas de reunião, multifuncionais, todas elas em ‘open space’ com luz natural, adaptáveis às necessidades de qualquer evento empresarial, além de ter à disposição um conjunto de serviços de suporte à organização do seu evento, desde equipamento audiovisual e multimédia, a sugestões de gastronomia e animação”.

SERVIÇO:

Montebelo Hotels & Resorts – Montebelo Viseu Congress Hotel

Tel: +351 232 420 000

Email:  reservasmontebelo@montebelohotels.com

Morada: Urbanizaçao Quinta do Bosque – 3510-020 Viseu – Portugal

Site: montebelohotels.com

FB: https://www.facebook.com/MontebeloHotelsResorts

Instagram: @montebelohotels&resorts

PALÁCIO DO GELO SHOPPING, um empreendimento visionário!

A maioria das pessoas adora passar horas dentro do shopping, principalmente quando nele se encontram as melhores lojas, as mais diversas opções de lazer e, sobretudo, se o shopping for o “Palácio do Gelo Shopping”!

Sabe quando surgiu esse empreendimento que atrai milhares de pessoas de todos os cantos? Pois, vamos contar-lhe!

O shopping surgiu em Viseu em outubro de 1996, então designado como Palácio do Gelo, num conjunto que integrava o Palácio dos Desportos, Palácio da Saúde e Palácio dos Congressos. Tratava-se de um conceito inovador e diferenciador do que até então existia no país.

Numa visão vanguardista, o Grupo Visabeira, promotor e proprietário do espaço, construiu um centro comercial de grandes dimensões que, desde logo, concentrou em si a atenção dos viseenses e não só. Rapidamente se tornou num polo aglutinador da região centro que, até à data, não conhecera nada parecido.

As dezenas de lojas que colocou à disposição dos investidores apresentavam áreas generosas e amplas, que eram complementadas por áreas comuns de invulgar espaço de circulação. A esse conceito inovador do centro comercial, o Grupo Visabeira acrescentou-lhe outras mais-valias que o tornariam ainda mais conhecido, ultrapassando as fronteiras regionais, rasgando horizontes nacionais e até mesmo internacionais.

“Referimo-nos, por exemplo, à Pista de Gelo. Um espaço totalmente inimaginável no nosso país. Essa infraestrutura, parte integrante do Palácio do Gelo, foi, sem dúvida, um dos grandes motivos de atração para o público. Nela, era possível aprender a patinar sobre o gelo, algo até então só acessível a quem se deslocasse ao estrangeiro”, relembra Cristina Lopes, diretora do Palácio do Gelo Shopping.

O Palácio do Gelo dispunha ainda de uma área de restauração que constituía, sem dúvida, outro dos polos de atração de clientes e várias salas de cinema, algo que na época escasseava em Viseu.

 “De referir, ainda, que no perímetro do centro comercial, o Grupo Visabeira, no tal rasgo de visão muito à frente para a época, construiu o Palácio dos Desportos, cuja nave central acolheu diversas modalidades, destacando-se o andebol com diversos jogos de apuramento da Seleção Nacional para os campeonatos da Europa e Mundial, o Palácio dos Congressos, com salas de grande capacidade o que atraiu a Viseu inúmeros eventos do setor e o Palácio da Saúde, uma área dedicada ao bem-estar”, contou a diretora do Palácio do Gelo Shopping.

Com o passar do tempo, o Grupo Visabeira voltou a mostrar a sua visão de futuro, ao iniciar as obras que levariam ao novo Palácio do Gelo Shopping, aquele que hoje é possível conhecer e visitar em Viseu e que foi inaugurado em abril de 2008. Partindo da demolição do centro comercial original, foi edificado um novo e gigante imóvel, que passou a ocupar a totalidade dos terrenos em que se ergueram os 4 palácios iniciais: o do Gelo, o dos Desportos, o dos Congressos e o da Saúde.

Numa área total de implantação de 175 mil metros quadrados, o Grupo Visabeira guindou o novo empreendimento a um patamar internacional. “Adotámos o lema ‘Realmente Diferente’ e de facto somos. O Palácio do Gelo Shopping tornou-se único a nível nacional e ibérico. O edifício projetado e construído pelo Grupo Visabeira foi pensado para receber os milhões de visitantes e clientes anuais de forma muito acolhedora”, afirmou Cristina Lopes.

Dotado de áreas comuns de circulação muito amplas, com luz natural em toda a sua plenitude, o Palácio do Gelo Shopping, nome pelo qual passou a ser desde então designado, faz lembrar um grande navio de cruzeiro, pela sua forma oval e pelos seus 7 pisos de área comercial. Está localizado num ponto de convergência de alguns dos principais eixos viários, como a A25, que liga o litoral norte ao interior, sendo a principal porta rodoviária de entrada na Europa por via de Espanha, e a A24/IP3, que cruza o eixo Trás-os-Montes-litoral centro.

“Para além destas, não podemos esquecer que Viseu é ponto de passagem para milhares de pessoas que anualmente se deslocam à Serra da Estrela, um dos pontos de atratividade turística desta vasta região. São rodovias de grande circulação com passagem por Viseu. Nessa perspetiva, o nosso shopping está estrategicamente posicionado. Relativamente à cidade, o Palácio do Gelo Shopping foi edificado numa das novas áreas de expansão urbana da cidade, servido por artérias de fácil circulação”, explicou a Diretora.

Suportado por algumas lojas âncora, de que são exemplo o hipermercado Auchan, a Fnac e H&M, o Palácio do Gelo Shopping acolhe mais de 150 lojas, distribuídas por sete pisos, onde se destaca a presença de cadeias e insígnias tão relevantes como a C&A, Worten, Sport Zone, Rádio Popular, AKI, Mc Donald’s, Cortefiel, Vista Alegre, Cinemas NOS, entre outras.

Acresce a esta diversificada oferta a Pista de Gelo, localizada no Piso 3, única no país em funcionamento todo o ano e onde se desenvolve a escola de patinagem e a possibilidade de patinagem de lazer. A pista de gelo está aberta à fruição de todos, quer dos que já sabem patinar, quer de quem pretende experimentar. Para quem deseja aprender a patinar no gelo, o ginásio ForLife dispõe de uma escola, disponível para todas as idades. Os técnicos credenciados estão habilitados a ministrar aulas de iniciação ou aperfeiçoamento e os futuros patinadores podem-se inscrever no Ginásio ForLife que se localiza do piso-2 do Palácio do Gelo Shopping ou diretamente na pista de Gelo. Trata-se de um dos maiores ginásios da Península Ibérica, com uma área global de 20 mil metros quadrados, em que se destaca o conjunto de 4 piscinas, uma das quais com 50 metros (olímpica), sala de musculação e cardio com 1.250 metros quadrados, 11 salas onde se praticam mais de 38 modalidades, 2 quadras de squash, ténis de mesa, sauna e banho turco, serviços de estética, massagem e cabeleireiro.

Ainda no ramo desportivo, vale ressaltar que um dos marcos do desporto português ocorreu na pista do Palácio do Gelo Shopping, onde se deram os primeiros passos no hóquei no gelo em Portugal, tendo recebido, inclusive, a primeira formação de uma seleção nacional de hóquei no gelo que defrontou a ‘First Portuguese Canadian Cultural Center’ (FPCCC) de Toronto. Habitualmente, a equipa local os “Lobos do Palácio do Gelo” disputava partidas com equipas formadas espontaneamente por praticantes da modalidade residentes em Portugal e equipas espanholas. A pista de gelo também recebeu os dois primeiros campeonatos nacionais de Patinagem Artística, organizados pela Federação Portuguesa de Patinagem.

Em torno da temática do gelo, o Shopping coloca à disposição dos visitantes o Bar de Gelo, um espaço igualmente único em Portugal e no qual tudo é concebido em gelo: paredes, bancos, balcão e, inclusive, os próprios copos onde são servidas as bebidas, assim como esculturas decorativas que são produzidas por um dos colaboradores e que são renovadas periodicamente. “Este é, sem sombra de dúvida, outro dos grande pontos de atração nacional e internacional do próprio shopping que voltará a funcionar quando forem levantadas as restrições impostas no âmbito do combate à pandemia”, disse Cristina Lopes.

No piso 3 encontra-se a área de restauração, onde estão implantados os restaurantes, com diversos conceitos e onde é possível fazer refeições ligeiras, requintadas e prolongadas com conceitos múltiplos. Disponibiliza duas esplanadas: a nascente e a poente. Amplas as esplanadas exteriores complementam o espaço de restauração e de animação do Palácio do Gelo Shopping, que está aberto todos os dias do ano, mesmo nas datas festivas – Natal, Páscoa, Ano Novo e feriados.

“São largos os milhões de clientes que anualmente optam por realizar as suas compras, desfrutar de momentos de lazer ou praticar desporto no Palácio do Gelo Shopping. A tendência desde a abertura tem sido, ano após ano, a consolidação da oferta e o consequente aumento de visitantes do Palácio do Gelo Shopping, uma tendência que foi apenas interrompida em 2020 e parte de 2021 pelo encerramento de lojas em consequência das medidas de combate à pandemia decretadas pelo Governo português”, ressaltou a diretora do Palácio do Gelo Shopping.

No que se refere à pandemia e às suas respetivas recomendações, o Palácio do Gelo Shopping respeita todas as regras decretadas pelas autoridades de saúde.

“Dotamos o Palácio do Gelo Shopping com dezenas de dispensadores de desinfetante para as mãos, recomendando o seu uso frequente; todas as lojas têm dispositivos à entrada; sinalizámos todas as áreas comuns com informação do distanciamento social e sentido de circulação das pessoas; encurtámos os intervalos de higienização e limpezas das áreas de utilização comum, entre outras medidas. O Palácio do Gelo Shopping foi ainda distinguido com o selo ‘Five Stars | Safe Spot’. Esta distinção surgiu após a auditoria do Bureau Veritas atestar a higiene, a desinfeção e a segurança das instalações”, detalhou Cristina.

Para finalizar, vale lembrar que nos dois últimos pisos (8.º e 9.º) do Palácio do Gelo Shopping situa-se a sede do Grupo Visabeira, uma ampla área de modernos, confortáveis e multifuncionais escritórios, local onde se encontram mais de 800 colaboradores do Grupo e que desenvolvem as suas diversas atividades.

Venham ao Palácio do Gelo Shopping e divirtam-se !

SERVIÇO:

Horários de Funcionamento

SHOPPING:

Segunda-feira a domingo: 10h00 – 23h00

LOJAS:

Segunda-feira a domingo: 10h00 – 23h00

RESTAURAÇÃO e SIMILARES:

Segunda-feira a domingo: 10h00 – 23h00

*À 6ªF após as 19H00 e aos Fins-de-semana há a obrigatoriedade de apresentação de certificado de vacinação válido ou teste negativo para poder efetuar refeições no nosso espaço da restauração.

HIPERMERCADO AUCHAN:

Segunda-feira a sábado: 08h30 – 23h00

Domingo: 08h30 – 22h00

CINEMAS NOS:

Segunda-feira a sexta-feira: 13h00 – 01h00

Fins de semana e feriado: 10h30 – 01h00

FARMÁCIA PINTO DE CAMPOS:

Segunda-feira a domingo: 09h00 – 23h00

PISTA DE GELO:

Segunda-feira a sexta-feira: 14h00 – 18h00

Fins-de-semana e feriados: 14h00 – 19h00

GINÁSIO FORLIFE:

Segunda-feira a sexta-feira: 07h00 – 22h00

Sábado: 08h00 – 20h00

Domingo e feriados: 09h00 – 14h00

Os horários poderão sofrer alterações consoante indicações do Governo e nesse caso deverão ser essas que vigoram.

www.palaciodogelo.pt

Acero de Luna, eternizando momentos!

Não há nada que encante mais uma mulher do que uma jóia, e nos tempos atuais, onde os homens estão cada vez mais vaidosos, presenteá-los com um acessório personalizado é dar um toque especial a todos os seus momentos. Tudo fica melhor quando se encontra, no mesmo local, jóias e acessórios de qualidade para ambos os sexos.  Assim é a Ácero de Luna, uma empresa especializada em eternizar momentos através de jóias e acessórios em aço inoxidável, hipoalergênico  e  também banhados  a ouro.

Com um amplo portfólio composto por peças femininas e masculinas, numa gama de acessórios que podem ser personalizados na hora, a Acero de Luna vem se destacando no mercado português como uma empresa que preza pela qualidade do serviço e do atendimento, promovendo o bem-estar e a satisfação constante do cliente, oferecendo produtos de qualidade, materializando momentos através dos serviços de fotogravação e personalização.

Na Acero de Luna o cliente é surpreendido com diversos colares, anéis, alianças, pulseiras, brincos, fios, relógios femininos e masculinos em aço com garantia vitalícia e as banhadas a ouro com garantia de 2 anos, além de medalhas e brindes personalizados como canetas, porta chaves, porta-cartões, imã, agendas com chapa, espelhos de bolsa, isqueiros, dentre tantos outros acessórios que podem ser feitos fotogravação usando um processo de impressão feita por uma agulha de diamante que faz a microporização da foto, imagem ou texto, tornando a peça única.

A Acero de Luna, jóias do tempo, está localizada dentro do Palácio do Gelo Shopping e tem sido reconhecida por seu serviço de qualidade e atendimento de excelência, conquistando dia a dia a confiança, o respeito e a fidelização de seus clientes.

Venha fazer uma visita e encontre a joia ou o acessório certo para a pessoa certa !

SERVIÇO:

ACERO DE LUNA

Palácio do Gelo Shopping

Piso 0

Dias e horários de funcionamento do Palácio do Gelo Shopping

Funcionamento: Segunda a domingo.

Horários : Nesta altura de pandemia, sujeitos à determinação do Governo. Contudo, neste momento (julho)  o horário é o seguinte:

SHOPPING: Segunda-feira a domingo: 10h00–21h00

LOJAS: Segunda-feira a domingo: 10h00–21h00

Por conta da pandemia, aconselhamos, entretanto, a consulta em www.palaciodogelo.pt

O sonho da criança que se tornou realidade

Tudo na vida tem um começo e quase todas as empresas surgem porque são fruto de um sonho, um desejo, uma ideia. 

Com a “Oliv8” não foi diferente! Tudo começou quando a proprietária, Cátia Afonso, ainda miúda, via os avós a trabalharem na terra e pensava: “Quando eu crescer e for uma mulher com capacidade financeira, vou pagar aos agricultores à minha volta o seu justo valor! Os meus avós, e todos os agricultores, trabalham tanto e recebem tão pouco para o trabalho árduo que a agricultura necessita, mas eu vou mudar isso!”. O avô, mais conhecido por “Manuelzinho”, olhava para a neta e com um sorriso dizia: “Tu não sabes o que estás a dizer. Dizes isso porque ainda és uma miúda, mas quando cresceres, e se te tornares numa grande empresária, vais fazer como todos os empresários e vais pagar mal aos agricultores, assim como a maioria dos empresários fazem e, por isso, não te dediques à agricultura, esquece lá isso miúda!”

Mas a verdade é que a miúda cresceu e nunca esqueceu os agricultores, do sonho que tinha quando era criança e quando, finalmente, foi viver no Porto para estudar na faculdade começou a colocar o sonho em ação. “Eu tirei o curso de Gestão de Empresas e tinha que fazer um projeto subordinado ao tema: O que é que eu me via a gerir dentro de cinco anos? Foi então que escolhi criar uma marca de um azeite e disse ao meu avô o que ia fazer. Mais tarde, fui aprofundar os meus conhecimentos em Gestão de Vendas e Marketing na Porto Business School, onde voltei a fazer todos os trabalhos da pós-graduação virados ao meu projeto de criação da marca de azeite. Foi então que o meu pai me acompanhou e gostou da ideia, pelo que, me ajudou a investir. “Com a ajuda do professor Jorge Humberto do Instituto Politécnico de Bragança, elaboramos uma candidatura de Jovem Agricultor e nasceu assim, em setembro de 2011, a empresa Olivadouro”, conta a empresária.

Cátia Afonso, entretanto, e na expectativa que as oliveiras fossem crescendo, trabalhou em Portugal e depois de receber um convite para trabalhar em Angola aceitou na perspetiva de obter experiência e conhecimento em várias culturas e vários mercados. De Angola passou para Inglaterra onde trabalhou um ano em Londres e já em 2018, regressou a Portugal para dar à luz a sua filha. Foi então que não voltou a sair e começou a trabalhar na empresa familiar, pois as oliveiras já se encontravam em produção. 

 “Confesso que nunca tinha trabalhado nesta área tão específica e por isso tenho procurado fazer formações. Estou a tirar o curso de Engenharia Agrónoma no Instituto Politécnico de Bragança e fiz um curso de Professional Olive Oil Sommelier Course na Escuela Superior del Aceite de Oliva em Sevilha. Comecei a sentir os aromas do azeite, que antes, não tinha essa sensibilidade e nem sequer imaginava a enorme variedade que existe. Por exemplo, há um azeite que tem um forte travo a banana e eu nunca na vida imaginava que fosse possível, portanto, trata-se de uma variedade italiana chamada Frantoio, “é como se abrisse uma banana mais verde, ainda sem amadurecer” explica Cátia.

A marca OLIV8 foi criada com o conhecimento transmitido de gerações em gerações, garantindo um sabor de alta qualidade em cada colheita. É um azeite virgem extra, 100% puro, sem aditivos ou conservantes, de qualidade superior obtido exclusivamente por processos mecânicos, extraído a frio e diretamente a partir de azeitonas provenientes dos nossos olivais da região do Douro Superior, numa área de 54hectares. “Nós escolhemos esta zona por termos os fatores edáficos extraordinários e um microclima peculiar. Instalamos a nossa exploração no Vale da Vilariça, pelo que as oliveiras estão num vale em que a volta é tudo montanhas típicas da região de Trás-os-Montes e Alto Douro e nós temos aqui uma planície que não é habitual na região do Douro”, conta a proprietária.

No passado, a família trabalhava com azeite de uma forma tradicional mas na Olivadouro a opção escolhida foi a mecanização, no controlo de pragas e doenças, grau da humidade do solo, nutrientes administrados a cada oliveira, colheita mecanizada e rápida em quantidades que entram em transformação em duas horas, não deixando que a azeitona fermente, uma vez que inicia-se logo o aparecimento de microrganismos que danificam o fruto e, consequentemente, afetam a qualidade do azeite. Na Olivadouro as análises ao solo, foliares e do azeite são realizadas ano após ano. “Trabalhamos para obter a melhor qualidade dentro da nossa exploração, pelo que efetuamos a colheita Temporã em meados de outubro, garantido todos os aromas do azeite, os compostos fenólicos e não danificando o ácido oleico”, explica a engenheira agrónoma.

Em termos de marca, Cátia Afonso confessa que não era muito a favor do nome “Oliv8”, por este ser dito de forma diferente dependendo do país o número 8, mas o Pai Fernando Jorge Afonso, registou e respondeu que “Chanel Nº 5” é uma marca mundialmente conhecida apesar de ser falada de forma diferente em cada língua o número 5.

catia

PREMIOS!

Ao que tudo indica, Fernando Jorge Afonso estava com a razão porque o Oliv8 acaba de receber o segundo prémio consecutivo. O primeiro aconteceu no prestigioso concurso internacional OLIVE JAPAN 2020, a primeira medalha de prata, e agora no Dubai Olive Oil Competiton 2021, também medalha de prata. ”Estamos satisfeitos com o resultado, porque é de evidenciar que a marca foi lançada em Abril de 2019 numa missão à Suíça para as comunidades portuguesas”, conta orgulhosa Cátia Afonso.

E por falar em concursos é de salientar que, o azeite entra nos concursos que visam distinguir lotes homogéneos de Azeite Virgem Extra produzidos na safra do ano em questão, e que são apresentados por produtores e embaladores legalmente reconhecidos, comercializados por eles próprios com referências comerciais exclusivas. O concurso tem um painel de júris de diversas nacionalidades, onde iniciam a prova pelo olfato, depois palato e de seguida é analisado quimicamente. No final há a soma de todas as notas ao longo das provas e dá-se o resultado final.

Vale ressaltar que o azeite deve ser conservado ao abrigo da luz, ar, fontes de calor e odores intensos e, se quiser consumir um azeite de qualidade, o nome é Oliv8 ! Bom apetite!

SERVIÇO:

AZEITE OLIV 8

Olivadouro – Produção Olivícola, LDA

Sede -Av. Dr Francisco Sá Carneiro N137 B, Sala B – 5300-011 – Bragança

Quinta – Vale da Vilariça – Douro Superior

TLM / Whatsapp: (+351) 937 493 151

Site:  www.oliv8.pt

Facebook: https://www.facebook.com/oliv8.pt

VISEU – CIDADE JARDIM, uma visita imperdível!

Portugal é um país pequeno, principalmente, se comparado ao Brasil, mas é grande no que diz respeito a tradição, cultura e beleza! De norte a sul do país encontram-se cidades assim, e  Viseu, que está localizada a 292 km de Lisboa e a 133 km do Porto, é uma dessas cidades, que reúne todos esses pontos  e vale a pena visitar, conhecer e quiçá morar na histórica Cidade-Jardim.

Viseu ganhou o título de Cidade-Jardim ainda nas décadas de 20 e 30 do século XX, e de lá pra cá, outros títulos vieram, como Cidade de Viriato por conta do herói mítico, Cidade Vinhateira por conta da região dos vinhedos nas proximidades do Rio Dão, Cidade do Verde Pinho por estar rodeada de imensos pinheirais ou ainda Destino de Gastronomia por sua culinária, enfim, seja qual título for, a cidade portuguesa do distrito homónimo, situada na província da Beira Alta, Região do Centro e sub-região do Dão-Lafões, tem apostado na valorização dos recursos naturais, ambientais e culturais do concelho como fatores de qualidade de vida e atratividade económica e turística.

Caminhar por suas ruas e ruelas faz com que o turista, e também o morador, sinta a forte identidade local. Uma identidade transmitida, quer seja através do Largo da Sé, onde está localizada a Igreja da Misericórdia, datada do século XVII, como através dos vestígios das antigas muralhas, da Porta do Soar ou da Porta dos Cavaleiros, dos vasos suspensos nas varandas, das infinitas rotundas que são referência europeia no que diz respeito ao planeamento urbano ou, simplesmente, pelo vai e vem tranquilo das pessoas.

De acordo com o estudo da DECO lançado em março deste ano, que analisou 12 capitais de distrito do país com mais população, Viseu foi considerada a “Melhor Cidade para Viver”. Neste estudo foram analisadas vários pontos, como o custo de vida, a segurança e criminalidade, a limpeza, a gestão de resíduos, que representam um maior impacto na qualidade de vida das cidades e das suas comunidades. Viseu destacou-se acima da média em relação à mobilidade, o meio ambiente e a poluição, ficando no topo do ranking. Sem falar que na Cultura, no Desporto e no Lazer, Viseu tem um grau de satisfação que a coloca num patamar elevado, a par de outras cidades como o Porto, Braga e Lisboa.

Tanto o morador como o turista são muito importantes para a cidade, por isso mesmo, Viseu tem hoje uma nova sinalética, acessível e inclusiva, com 61 marcos distribuídos pela cidade, que fornecem informações em português, inglês, francês e espanhol, para além de disporem ainda do nome dos locais em braille (em português). Além disso, a cidade tem 24 linhas de autocarros urbanos integrados no sistema de Mobilidade Urbana, e mais duas linhas de mini autocarros elétricos: uma circula pelo centro, passando pelos mais importantes pontos comerciais e históricos, e a outra liga a Central de Camionagem ao Hospital de São Teotónio. A cidade possui também uma rede de ciclovias urbanas, ligando o Centro Histórico aos principais pontos de uso da população.

Viseu é envolvida por muitas montanhas e rios. A norte temos as serras de Leomil, Montemuro e Lapa, a noroeste a serra do Arado, a sul e sudoeste a famosa e badalada Serra da Estrela e Lousã, e a oeste a Serra do Caramulo. A cidade é banhada pelos Rio Vouga, Dão, Pavia, o famoso Rio Douro e pelo Rio Mondego.

O clima mediterrânico com influência continental e marítima é caracterizado pela existência de elevadas amplitudes térmicas, com invernos rigorosos e húmidos e verões quentes e secos, uma primavera amena e um Outono húmido e fresco.

Em termos culturais, há imensos lugares para visitar como parques, igrejas, museus, dentre eles o Museu Grão Vasco, onde as pinturas de Vasco Fernandes e de outros artistas da escola de Viseu são apreciadas pelo seu naturalismo e pelas paisagens de fundo. Há ainda os festivais como o Festival Jardins Efémeros, nos finais de julho, evento único em Portugal, que promove o encontro entre o público e novas formas de expressão artística. Na ocasião, todo o Centro Histórico de Viseu é transformado num jardim acolhendo o talento de diversos criadores portugueses e internacionais. Além disso, ao longo do ano há a Agenda Vinhateira, o Festival de Street Art, Festival de Teatro, Festival de Música da Primavera, Festa do 2 de Maio, dentre tantas outras festividades cívicas e religiosas que valem a pena conferir.

A culinária não fica a desejar e há de se experimentar a vitela assada com arroz de forno, rojões com morcela e bauus cozidas, Rancho à moda de Viseu além das Castanhas de ovos de Viseu, a Lampreia de ovos, os pastéis de feijão e os Pastéis de Vouzela.

No comércio, Viseu possui diversas áreas comerciais e caracteriza-se como um centro administrativo, de comércio e de serviços, chegando o setor de serviços a ocupar 83% da população. A cidade conta com três pólos comerciais de renome, nomeadamente,   o Palácio do Gelo Shopping, com uma ampla variedade de lojas e salas de cinema, um Bar de Gelo (único em Portugal), uma Pista de Gelo, e ainda possui Terraços Panorâmicos com vista para as Serras da Estrela e Caramulo; o Fórum Viseu com suas 82 lojas e vista para o centro da cidade e para o Rio Pavia; e o mais recente Viseu Retail Park situado em Fragosela. Ou seja, vindo a Portugal ou estando em Portugal conheça Viseu Cidade-Jardim. (visitViseu.pt – site disponível em Português e Inglês).

A LENDA

A lenda representada no brasão da cidade, refere-se ao rei Ramiro II de Leão que, em viagem para outras terras, conheceu Sara, a irmã de Alboazar, rei do castelo de Gaia, por quem se apaixonou. Tal foi a paixão que se apoderou do rei, que este raptou Sara. Ao saber do sucedido, o irmão de Sara vingou-se raptando a esposa do rei, D. Urraca. Ferido no orgulho, D. Ramiro teria escolhido em Viseu alguns dos seus melhores guerreiros para o acompanharem, penetrando sorrateiramente no castelo, e deixando os guerreiros nas proximidades.

Enquanto Alboazar caçava, D. Ramiro conseguiu entrar no castelo e encontrar D. Urraca que, sabendo da traição do marido, recusou-se a acompanhá-lo. Quando Alboazar regressou da caça, D. Urraca decide vingar-se do marido mostrando-o ao raptor. Ramiro, aprisionado e condenado à execução, pede para, como último desejo, morrer ao som da sua buzina, que era o sinal que tinha combinado com os soldados para entrarem no castelo. Ao final do sexto toque, os soldados cercam imediatamente o castelo, incendiando-o. Alboazar morreria às mãos dos soldados do rei Ramiro.

HISTÓRIA

No século XV, a cidade foi doada ao Infante D. Henrique, como parte da concessão do título de Duque de Viseu, por isso há uma estátua de D. Henrique, construída em 1960, na rotunda que dá acesso à rua do mesmo nome. O seu irmão e rei, D. Duarte, nasceu em Viseu, a 31 de outubro de 1391.

Já no século XVI, em 1513, D. Manuel I renova o foral de Viseu expandindo para a atual zona central, o Rossio que, em pouco tempo, tornou-se o ponto de encontro da sociedade. No século XIX é construído o edifício da Câmara Municipal, no Rossio, trasladando consigo o centro da cidade, anteriormente na parte alta. Daí ao cume da colina, segue a Rua Direita, onde se encontra uma grande parte de comércio e construções medievais.

Networking faz-se com presença, trabalho e alegria!

Nada melhor do que estar entre pessoas queridas, interessantes, inteligentes e produtivas. Quando essas pessoas são empresários e profissionais liberais dispostos a crescer e a fazer a diferença no mercado de trabalho, no mundo profissional e empresarial, é ainda melhor!

Reunir esses empresários semanalmente ‘on-line’ e mensalmente num sítio de renome é o que torna o Networking Ana Maria tão especial! “Quando criei o meu Networking eu queria exatamente isso: reunir os melhores profissionais e empresários, portugueses e brasileiros, e, juntamente com eles, aumentar as sinergias, os negócios, a produtividade da empresa, contribuir para a prosperidade, aumentar a rede de relacionamentos de todos e a alegria também, porque quando estamos bem no nosso trabalho, quando fazemos o que verdadeiramente gostamos, tornamo-nos seres mais prósperos, alegres e em paz”, explicou a presidente, Ana Maria.

O Networking Ana Maria foi criado em março de 2020 e de lá para cá só vem crescendo. São três grupos formados por empresários de Portugal e do Brasil com variadas áreas de atuação que se reúnem ‘on-line’, uma vez por semana, durante cerca de uma hora e trocam experiências empresariais, fazem novos negócios e aumentam as suas redes de Networking. Uma vez por mês reúnem-se também num sítio diferenciado e aprazível, porque a presidente acredita que o convívio presencial é muito importante e saudável. “Estamos em período de Covid-19, mas temos todos os cuidados, agimos de acordo com as normas da Direção-Geral da Saúde (DGS), o que torna os nossos jantares mensais seguros e todos fazem questão de marcar presença”, contou Ana Maria.

O mês de maio foi um mês muito especial para todos os membros do Networking Ana Maria porque foi o mês que aconteceram os primeiros encontros presenciais. O primeiro jantar foi realizado em 19 de maio na Fontinha da Pedra, uma Quinta em Viseu com muito espaço e beleza. “Foi o nosso primeiro jantar do Networking e por isso mesmo vai ficar marcado para sempre”, comentou a presidente. O segundo jantar ocorreu em 21 de maio, uma sexta-feira de lua cheia e serena, na clássica Quinta da Boucinha na cidade de Vila Nova de Gaia, onde todos os presentes falaram dos seus negócios, compartilharam crescimentos e fizeram novos relacionamentos empresariais.

Já no dia 01 de julho, no restaurante O Freitas, um típico estabelecimento português na baixa do Porto, foi realizado o terceiro jantar que reuniu membros, convidados e foi servido aos presentes o vinho da Quinta da Picota, trazido pelo enólogo Hugo Silva e o seu pai e proprietário da vinícola, senhor Carlos Silva assim como o azeite Olive 8 de propriedade da engenheira agrónoma Cátia Afonso, empresários ativos do Networking. “É uma alegria enorme ver os membros confraternizando, expondo os seus produtos, crescendo cada vez mais a cada dia, mesmo em plena pandemia. Fico muito feliz em proporcionar esses encontros! Que venham novos jantares e novos empreendimentos porque juntos somos mais fortes! Vida longa, felicidade e prosperidade para todos”, finalizou a presidente do Networking, Ana Maria.

www.networkinganamaria.pt

Teve expositores, cantoria e gastronomia com segurança!

Depois de um ano de espera, as portas do Centro Nacional de Exposições voltaram a abrir-se para receber a Feira Nacional de Agricultura.

Entre os dias 09 e 13 de junho, o CNEMA – Centro Nacional de Exposições e Mercados Agrícolas – realizou a Feira Nacional de Agricultura/Feira do Ribatejo – FNA 21 – em formato físico, em Santarém, com o cumprimento de todas as regras de segurança delineadas pela Direção Geral de Saúdem permitindo a realização do evento onde participantes e visitantes puderam circular com tranquilidade, confiança e segurança.

“Eu estive lá para prestigiar os expositores e comprovei a total segurança em relação à Covid-19 e, passeando pelos enormes corredores da Feira, encontrei um pouco de tudo: animais, roupa, máquinas agrícolas, produtos regionais, palestras sobre agricultura, pecuária, o melhor do vinho nacional, stand de livros e  aproveitei para saborear a deliciosa carne da Casa Arouquesa, um dos estabelecimentos comerciais da área de alimentação da Feira”, conta a empresária Ana Maria.

A FNA 21 decorreu durante cinco dias, mas, quem não quis ir pessoalmente à Feira, teve a possibilidade de percorrer virtualmente o recinto e descobrir os expositores que marcaram presença na edição deste ano, interagindo em iniciativas com temáticas diversificadas apresentadas por especialistas do setor, em ‘webinars’, apresentações ou masterclasses, e assistindo aos espetáculos dos artistas convidados.

A edição 2021 da FNA, um dos maiores e mais antigos certames da capital ribatejana, foi um sucesso e, no próximo ano, haverá mais, com certeza!

Casa das Quintas, a casa da família que se transformou na casa de todos!

Nada mais agradável do que sair para viajar e se hospedar num sítio acolhedor, familiar, agradável e ainda ser rececionado com simpatia e alegria. Assim é a Casa das Quintas, uma habitação originariamente familiar, que se transformou num alojamento local de arquitetura tradicional transmontana, que foi cuidadosamente restaurada dando origem a 4 quartos e dois apartamentos T1 e T3, equipados com todas as comodidades, proporcionando um elevado nível de conforto e privacidade.

A “Casa” situa-se nas Quintas das Quebradas, uma aldeia tipicamente transmontana do Douro Superior, junto ao Parque Natural do Douro Internacional, no concelho de Mogadouro, entre os vales do Sabor e Douro, onde a paisagem se vai enrugando de norte para sul e o clima se vai tornando mais ameno e onde surgem as oliveiras, amendoeiras, sobreiros, tão característicos dos climas do sul.

“O meu pai cresceu nessa aldeia e cá temos lembranças de momentos muito felizes. Foi aqui que o meu pai, o escultor Manuel Barroco, começou a fazer os primeiros desenhos dele. Eu e a minha família estamos ligados às artes, mas sempre gostei de lidar com o publico. Por isso, em 2003 começamos as obras na casa e desde 2004 que estou cá a viver com o meu pai, atendendo os nossos hóspedes como se fossem da nossa própria família”, contou a proprietária da casa, Ana Barroco.

A Casa das Quintas tem uma localização privilegiada e proporciona aos hóspedes uma excelente alternativa turística para a prática de atividades em permanente contacto com a natureza no seu estado mais puro. “No inverno, tem um clima rigoroso, continental, um frio que gela. Nesta estação do ano, as árvores ficam ‘emolduradas’ de branco porque são frequentes as geadas e os nevões. Nos meses de abril e maio, os montes ficam floridos de mil cores e o turista pode desfrutar de uma paisagem belíssima com as amendoeiras em flor. Já no verão há um calor tórrido, típico dos climas continentais, que seca a vegetação, deixando tudo amarelo. O povo costuma dizer: ‘nove meses de inverno e três de inferno’! Mas, apesar do calor forte, em noites de lua cheia, as pessoas aproveitam para navegar de caiaque nas águas do Douro e apreciar a lua. Com certeza, esse é um dos passeios que os hóspedes mais gostam”, revelou Ana Barroco.

Os moradores da Aldeia são parceiros e é possível fazer um pacote de dormida, refeição e atividades, como uma visita guiada a igrejas com valor histórico, às caves de vinho, visitar os monumentos da cidade, fazer passeios de barco e/ou caiaque no Rio Douro ou ainda fazer percursos terrestres. Também é possível aprender a fazer queijo da serra, mel ou simplesmente sair para comer na Vila, que fica a dez minutos da Casa das Quintas e saborear umas tasquinhas, a posta mirandesa, os enchidos regionais, bons pratos de bacalhau na brasa ou carne à mirandesa, que é típica da região, com cogumelos selvagens.

Os hóspedes aproveitam o pequeno-almoço da Casa das Quintas respirando ar puro, com tranquilidade e, na altura do verão, são oferecidas refeições ligeiras à beira da piscina, como sandes de pão regional, salteado de cogumelos e presunto, saladinha de polvo, alheiras, tábua de enchidos e queijos, bolo ou torta caseira, entre outras opções, acompanhadas por um vinho do Douro ou sumos naturais. “O hóspede pode escolher se quer saborear no alpendre da piscina, na sala de refeições ou levar uma cesta para um piquenique no campo. Queremos que os nossos hóspedes aliviem a cabeça do stress diário e, por isso, fazemos o máximo para que se sintam confortáveis. Queremos que, ao nos visitar, eles se sintam em casa”, explicou a proprietária.

Os alojamentos estão divididos e nomeados, como a Casa do Guarda Jóias e a Casa do Largo, tipicamente transmontana em xisto, com varandas e alpendre em madeira, aquecimento central, ar condicionado, utensílios de cozinha, caso de banho privativa, sala de estar com salamandra (fornecimento de lareira), mas, há também a Suíte com lareira, que fica numa casa independente. No espaço de acesso aos quartos, os hóspedes podem usufruir de chá, café e biscoitos, além dos espaços ajardinados, da piscina, do bar, da sala de televisão numa zona de estar com lareira. Para finalizar, há ainda a Casa Principal, datada da década de 40, constituída por três quartos duplos com casa de banho privativa, aquecimento central e televisão própria para famílias.

“Se a sua opção é descansar, respirar ar puro, passear no espaço rural e passar momentos agradáveis num alojamento com gostinho de casa de família no planalto mirandês, então, seja muito bem-vindo à Casa das Quintas. A casa é vossa! Estamos cá, aguardando por vós, com muita alegria”, concluiu Ana Barroco.

SERVIÇO:

CASA DAS QUINTAS Hotel

MORADA : Rua da Escola 4, Quinta das Quebradas, Bragança, Portugal

52000-150 Mogadouro

www.casadasquintas.com

reservas.casadasquintas@gmail.com

Instagram:  @casadasquintas

Tel: +351 279 599 435 / + 351 966 776 015

Distância: 442km de Lisboa e 210km do Porto